Fibra de carbono, o esqueleto dos Volvo Ocean 65

Todas as embarcações que participam na Volvo Ocean Race sofrem durante a competição à dureza do mar. Um braço-de-ferro entre a natureza e a criação humana em que a última acaba por ceder, apesar da forte resistência.

Os barcos Volvo Ocean 65 têm, por esta razão e no final de cada ano, de ser revistos, vistoriados à lupa e reparados.

E é em Lisboa, no Boatyard, localizado na antiga Docapesca, em Algés, que estes barcos analisados e reparados.

Henry Woodhouse é o elemento trabalha e coordena e a equipa de reparação inicial, com fibra de carbono, nestes barcos de competição e deu-nos a conhecer como se processa um dos pontos fundamentais para a resistência destas embarcações.

Fonte: RTP

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *