Dakar 2018: As motos do Dakar 2018

A KTM domina o Dakar há 16 anos consecutivos. Será que em 2018 vai continuar a dar cartas? Conheça as suas concorrentes.

A KTM quererá seguramente, em 2018, manter o domínio absoluto sobre a concorrência.  Afinal, 16 edições a vencer a mais dura prova do mundo, não são, de forma alguma, um mero acaso. A marca austríaca tem defendido a honra da herança tecnológica europeia, e tem vindo sistematicamente ao longo dos últimos anos a envergonhar a armada japonesa.

Entretanto os japoneses, Honda e a Yamaha, não baixam os braços, e a cada ano empenham-se a fundo, suportados por orçamentos significativos, na conquista de uma tão almejada vitória que traga para a ribalta o seus pergaminhos nesta tão difícil maratona onda as Africa Twin e as Ténéré ficaram para a história

Mas também, a cada ano que passa, aumenta a concorrência das marcas indianas, Sherco/TVS e Hero que, quer queiramos quer não, representam uma ameaça futura a todas as outras marcas.

Quem também parece muito interessada em promover as suas motos é a Gas Gas, agora propriedade da Torrot, e que aposta nos motores KTM para conseguir um bom resultado e divulgara a sua marca.

Conheça todas as motos de 2018 em detalhe:

KTM

A KTM estreia em 2018 uma nova 450 Rally, apresentada ao público há poucas semanas no Salão de Milão.
Alterações significativas no painel frontal, proporcionam uma melhor proteção aerodinâmica ao piloto e ao painel de instrumentos. O novo desenho dos depósitos de combustivel representa uma melhor distribuição de massas e oferece mais espaço aos pilotos.

Será a ferramenta que Sam Sunderland, Anotine Meo, Mathias Walkner e Toby Price da Red Bull Rally Team e também dos pilotos oficiais da marca Laia Sanz e Luciano Benavides terão em quase exclusivo para esta 40ª edição do Dakar.

As equipas privadas, como a Himoinsa Rally Team contam com a versão de 2017 da 450 Rally.

A Himoinsa Team actualizou o controlo de tracção e os modos de motor com diversos níveis de intervenção e desempenho, numa tentativa de melhor adaptar a sua resposta nos diversos tipos de terreno que os pilotos vão ter de enfrentar, e que vai das dunas, a demolidoras pistas com mau piso, e a variações extremas da altitude. Outro sistema implementado nas KTM da Himoinsa Team é o limitador de velocidade para minimizar o risco de penalizações nos troços de velocidade reduzida obrigatória.

Também a Gas Gas que este ano regressa ao Dakar após dois anos de ausência e depois de ter participado entre 2012 e 2015, conta com 3 motos, em versão de 2017 da KTM 450 Rally.

piloto português Mário Patrão também vai contar com uma destas KTM que venceram o Dakar de 2017

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *